2007-04-11

Cidadania e Amor; Cidadania é Amor.

Eu te amo, meu Brasil, Eu te amo!
Meu coração é verde, amarelo, branco e azul anil...
Eu te amo, meu Brasil, Eu te amo!
Ninguém segura a Juventude do Brasil!

Junto com frases do tipo "Brasil, ame-o ou deixe-o" ou "Quem não vive para servir o Brasil não serve para viver no Brasil", esta modinha foi repetida ad nauseam por toda uma geração de brasileiros.

Geração que trabalhou, suou, sangrou, sofreu, lutou. Apenas para ver seu amado Brasil ser usado, abusado ou simplesmente negligenciado pelas mãos cheias de dedos (ou nem tanto) de iletrados, usuários de drogas, proletários ressentidos, eruditos anti-elites e elites anti-eruditos.

E o que fez esta geração que trabalhou, suou, sangrou, sofreu, lutou?

Continuou a cantar "Eu te amo meu Brasil" por décadas, na esperança de que um dia o tal Brasil reconhecesse tanto amor e dedicação.

Alguns ainda cantam...


Eu chamo esta geração de Geração Mulé Burra. Porque assim como o estereótipo da Mulher Burra e Apaixonada - que sacrifica corpo, mente e alma por um cafajeste que não dá nada em troca - tais pessoas se apegam a frases feitas, clichês, esperanças vãs e non sequiturs numa tentativa desesperada de não enfrentar a mais simples realidade:

São elas mesmas os arquitetos de suas próprias atribulações!

Como disse Flávio Gikovate, em seu livro "O Mal, O Bem e Mais Além", é o Altruísmo Estúpido que sustenta toda sorte de egoísmo: e assim como os cafajestes só existem porque existem mulheres que o aceitam, a inconveniente verdade é que só existem corruptos porque existem pessoas que os toleram.

Não é deste amor - falso, covarde e comodista - que este tão (des)amado Brasil precisa. É hora de crescer.

O Amor que este país merece e tão desesperadamente precisa é aquele que briga, que morde, que grita e esperneia sempre que este ruma em direção ao abismo: de muito pouco serve o apaixonado que vê seu objeto de amor consumir-se no erro e nada faz - talvez a única forma que conheça para, mesmo que por pouco tempo, mantê-lo juntinho de seus cuidados mediocrizantes e supérfluos: tudo o que é capaz de oferecer.

Se você ama este país, não se limite a vestir camisas verde-amarelas, a participar de comunidades positivistas e/ou ufanistas ou pintar a cara na hora da aula. Poupe-nos de seus brados apaixonados de "Amo meu país", e faça por merecer o país que afirma amar.

Se é Amor o que você sente por este país, lute para que ele se torne digno de ser amado. Lute para que ele se torne um país melhor.


Passou da hora de dar um basta nos abusos que este país sofre da mão de egoístas espertos, com a ajuda de egoísas estúpidos e pela negligência de falsos altruístas (que nada mais são que egoístas disfarçados e, portanto, covardes).

Passou da hora de esclarecer que cidadania é uma via de mão-dupla, e que um país não tem serventia se não cuida do povo que o constrói.

Passou da hora de deixar de passar a mão na cabeça de quem nos sacaneia.

Tem uns banners novos aqui do lado. Participe.


Este post será republicado no Dia da Pátria.
Espero ter que editá-lo neste dia! ;-)

Marcadores: